Voluntária no Quênia, farmacêutica blumenauense lança ‘vaquinha’ para ajudar escola local

Laynara Grutzmacher no Quênia
Laynara Grutzmacher no Quênia

Lavar as mãos antes das refeições é um hábito simples e corriqueiro, certo? Não se você estiver no Quênia, o país africano que ocupa a posição de número 145 no índice de desenvolvimento humano e social (IDH) das Nações Unidas.

A blumenauense Laynara Grutzmacher, 28 anos, está desde 22 de setembro deste ano atuando como voluntária em Nairóbi, a capital do país, e conta que as condições sanitárias por lá são precárias. Farmacêutica formada pela Furb, ela atua na escola Utu Wema Community Resource, localizada em Mukuru Kwa Njenga, a maior favela da metrópole.

Nesta semana, a jovem, que vem mostrando em suas redes sociais tudo que está vivendo na África, lançou uma ‘vaquinha’ virtual. Ela quer arrecadar 5 mil reais para viabilizar a instalação de pias para que as crianças e os professores possam higienizar as mãos antes das refeições.

“Parece básico que uma escola tenha pias para lavar as mãos. Não é o caso desta e da maioria das escolas do Quênia. E como aqui todas as refeições são feitas diretamente com as mãos, sem o uso de talheres, isso é uma questão séria de saúde”, explica.

Oii pessoal, Como a maioria está acompanhando, estou em Nairobi (capital do Quênia) realizando um projeto social…

Posted by Laynara Katize Grutzmacher on Monday, October 24, 2016

Colaboradores recebem recompensas confeccionadas pelas crianças africanas

laynara_grutzmacher_quenia_farol_blumenau-3

A campanha, criada na plataforma vakinhavirtual.com.br foi lançada na última quinta-feira, 20, e até o fechamento desta matéria já havia atingido mais de 70% da meta de arrecadação.

A rede de amigos de Laynara parece estar sensibilizada com a causa. E um detalhe chama atenção: quem colabora com a ‘vaquinha’, com qualquer valor, recebe um lacinho de tecido confeccionado pelos alunos, crianças entre três e 17 anos.

“Eles estão muito envolvidos. Eu quis aproveitar a campanha para conscientizá-los da importância de lavar as mãos e também mostrar que com o esforço de todos podemos conseguir isso. É mais do que apenas conseguir o dinheiro e viabilizar as obras. Eles estão criando algo — com valor simbólico, claro —, dando uma recompensa, o que é fundamental na campanha”, conta Laynara.

“As crianças quenianas me mostram, na prática, que o amor faz a diferença”

O que leva uma jovem de classe média a deixar o conforto de Santa Catarina (atualmente reside em Florianópolis) para se aventurar na África? Esta foi a primeira de uma série de perguntas que o Farol Blumenau fez à Laynara Grutzmacher via WhatsApp. Confira, a seguir!

laynara_grutzmacher_quenia_farol_blumenau-2

Farol Blumenau – Por que e como surgiu a ideia de fazer voluntariado na África?

Lainara Grutzmacher — Eu sempre participei do projetos de voluntário mas, tinha vontade de realizar um trabalho social que fosse além, que me trouxesse a vivência, os costumes, as reais dificuldades. A África, como já é de conhecimento, tem um cenário bastante desafiador, exatamente o que buscava. Com auxílio da Aiesec (instituição pela qual estou realizando o projeto), decidi que Nairóbi seria o lugar ideal para esta realização.

FB — Você ficou muito chocada com o que presenciou ou já foi totalmente preparada?

Laynara — Olha, por mais que eu tenha vindo munida de muitas informações, a realidade por aqui é muito dura. Você mergulha totalmente, é bem diferente de ver pela televisão, de ler reportagens, sabe? Por outro lado, por mais clichê que possa parecer, eu vejo muita esperança e muita felicidade nos olhos destas crianças. Elas provam todo dia que é possível sim fazer a diferença através da educação mas, mais que isso, através do  amor. E, aí vai mais um clichê: vim para melhorar um pouquinho a realidade aqui e são essas crianças que estão me ajudando a ser uma pessoa melhor, a transformar minha vida. Está valendo cada segundo.

FB — Na sua visão, hoje, quais são os maiores desafios do Quênia no que diz respeito às crianças e adolescentes?

Laynara — No Quênia, especialmente em Nairóbi, da qual posso falar com mais propriedade, a desigualdade social é muito evidente. A grande maioria das crianças e adolescentes não tem acesso à saúde e principalmente à educação. Como sabemos, através da educação muitas transformações sociais acontecem, com crianças fora da escola ou com um ensino carente de investimento o futuro dessas crianças é incerto.

FB — Você consegue traçar um paralelo entre a realidade queniana e a brasileira?

Laynara — Certamente. No Brasil, também somos carentes em saúde e educação, as mesmas e principais necessidades que detectei aqui. Mas, em Nairobi essa diferença é ainda maior. A impressão que tenho é que os adultos aqui estão conformados de certa forma com esta dura realidade; parecem não ter força para lutar. Já no Brasil, há uma mudança social em curso. Nas últimas décadas temos experimentado uma transformação social importante, apesar de mais lento do que a maioria da população brasileira deseja e merece.

 

FB — Agora falando sobre a ‘vaquinha’: você acreditava que tanta gente ia se engajar na causa?

Laynara — Estou muito feliz e emocionada com o que estou presenciando. Desde o começo acreditei que era possível atingirmos a meta, mas, nem de longe poderia imaginar que seria com essa velocidade. As pessoas estão se sensibilizando, se envolvendo, buscando saber sobre projetos voluntários, manifestando o desejo de realizar algo transformador também. Isso é fantástico. Muitas vezes, nos momentos dificeis as palavras de apoio e carinho recebidas me dão força pra continuar.

FB — E como serão os trâmites para sacar o dinheiro no Quênia?

Laynara — Essa pergunta é muito importante e fico grata por poder falar a respeito, pois a intenção é justamente que as pessoas se sintam seguras para contribuir. Bom, o valor não está vinculado a nenhuma conta (ninguém possui acesso a ele no momento); a plataforma é baseada na nuvem, apenas quando finalizarmos as arrecadações o dinheiro poderá ser sacado, e aqui em Nairóbi mesmo. A própria AIESEC, juntamente com o diretor da escola, se encarregará de sacar o dinheiro e contratar a obra. Eu já estarei no Brasil quando a campanha finalizar, mas redigimos um projeto antes mesmo de inciarmos a vaquinha. Além do que, teremos pessoas na supervisão dos trabalhos e também na prestação de contas. Serão tiradas fotos durante e após o término da reforma.

FB — É visível nos seus posts que você está muito feliz com essa experiência. O que muda na sua vida a partir desta viagem para o Quênia?

Laynara — Difícil responder o que muda, pois, na verdade, eu não sou mais a mesma. Aqui, estou aprendendo a cada dia o que é o amor. Não que eu não soubesse antes (sempre tive uma família e amigos maravilhosos que me cercaram disso) mas, é esse um amor tão diferente! Essas crianças me provam todo o tempo que o amor faz sim a diferença. Eles me olham com amor, me abraçam o tempo todo, querem ficar perto, é inexplicável! Quanto mais amor ofereço, mais recebo. Aprendi a valorizar pequenas coisas do nosso dia a dia como comida, transporte público, ar fresco. Aprendi a amar ainda mais o nosso país, temos tantas  coisas boas aí, a começar pelo nosso povo que é carismático, acolhedor. Vou voltar com muito mais fé e gratidão por tudo.

| Para colaborar com a campanha de Laynara, clique aqui!

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome