terça-feira, 4 de outubro de 2022
18 C
Blumenau

Aprovado fim da obrigatoriedade de máscaras em aviões

As máscaras deixarão de ser exigidas nos aviões e nos aeroportos após dois anos de pandemia. Por unanimidade, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou hoje (17) o fim da exigência do equipamento em voos no Brasil.

Apesar do fim da obrigatoriedade, as máscaras faciais e o distanciamento social continuarão a ser recomendados para combate a Covid-19. A medida foi aprovada pelos cinco diretores da agência, inclusive pelo diretor Antonio Barra Torres.

Mesmo com o fim da obrigatoriedade das máscaras, uma série de protocolos em vigor desde o início da pandemia de Covid-19 foi mantida. Os aeroportos e as companhias aéreas continuarão a cumprir as seguintes medidas:

  • disponibilização de álcool em gel
  • avisos sonoros com adaptações, recomendando o uso de máscaras, especialmente por pessoas vulneráveis
  • procedimentos de limpeza e desinfecção contínuas
  • sistemas de climatização
  • desembarque por fileiras
Movimento de passageiros no Aeroporto Internacional Tom Jobim/RioGaleão - foto de Tomaz Silva/Agência Brasil
Movimento de passageiros no Aeroporto Internacional Tom Jobim/RioGaleão – foto de Tomaz Silva/Agência Brasil

Justificativa

Em documento, a Anvisa informou que o cenário epidemiológico atual permite que algumas medidas sanitárias tomadas em 2020 sejam atualizadas, como o uso obrigatório das máscaras. “Diante do atual cenário, o uso de máscaras, adotado até então como medida de saúde coletiva, é convertido em medida de proteção individual”, destacou.

A máscara nos terminais aéreos e nos aviões deixou de ser exigida em diversos países, como os Estados Unidos, a França, o Reino Unido e Portugal.

Em maio, a Anvisa liberou o serviço de bordo e autorizou o uso da capacidade máxima de passageiros, mas manteve o uso de máscaras em aviões e áreas restritas de aeroportos. As medidas entram em vigor quando publicadas em Diário Oficial da União.

Redação
Redação
Acompanhe nosso trabalho diariamente.
+ notícias

Últimas notícias

- publicidade -

Mais lidas