11 de Setembro de 2001: a primeira vítima

Se Danny Lewin tivesse recebido um assento diferente no vôo 11 da American Airlines há duas décadas, provavelmente teria feito muita diferença. Mas você nunca saberá. Um homem de força e astúcia incomuns, Lewin poderia ter mudado a história, pelo menos um pouco.

Lewin, um fisiculturista, ex-militar e matemático treinado no MIT, já havia deixado sua marca na Internet. Como fundador da Akamai Technologies Inc. em Cambridge, Lewin ajudou a desenvolver uma nova maneira de rotear o tráfego de rede que permite que os principais sites entreguem mais conteúdo com mais rapidez do que nunca. Graças à Akamai, milhões puderam ler a mesma notícia ou assistir ao mesmo vídeo na Internet simultaneamente.

NO BETTER TIME: A vida heróica e trágica de Lewin tornou-se livro. A autora Molly Knight Raskin, conta a história convincente de um homem incrível que realizou grandes coisas durante sua vida abreviada.
NO BETTER TIME: A vida heróica e trágica de Lewin tornou-se livro. A autora Molly Knight Raskin, conta a história convincente de um homem incrível que realizou grandes coisas durante sua vida abreviada.

A excelência do trabalho de Lewin foi confirmada pelos eventos de 11 de setembro de 2001, quando os clientes da Akamai, como o site da CNN na Internet, lidaram com sucesso com a demanda frenética por notícias sobre os ataques terroristas em Nova York e Washington. Lewin teria ficado orgulhoso se não tivesse sido vítima da atrocidade – talvez a primeira vítima.

A vida heróica e trágica de Lewin tornou-se um livro. A autora Molly Knight Raskin, produtora de documentários, relatou sua história com a eficiência enérgica de um repórter sem adornos e com detalhes pungentes e reveladores na obra No Better Time: a breve e notável vida de Danny Lewin, o gênio que transformou a internet, conta a história convincente de um homem incrível que realizou grandes coisas durante sua vida abreviada.

O pai de Lewin, um psiquiatra, mudou a família do Colorado para Haifa, Israel, em 1984. A princípio amargurado e solitário, o adolescente Danny Lewin conquistou seu novo país, destacando-se na escola e no fitness local. Em 1988, aos 18 anos, Lewin entrou para o exército israelense e foi recrutado para a elite Sayeret Matkal, o equivalente israelense dos SEALs da Marinha dos EUA.
Depois do exército, Lewin estudou na Technion – Instituto de Tecnologia de Israel, o principal centro de ciência, tecnologia e pesquisa aplicada, e uma das principais universidades de ciência e engenharia do mundo. Depois voltou aos Estados Unidos para fazer um doutorado no Instituto de Tecnologia de Massachusetts. Lá, ele se juntou ao professor Tom Leighton seu orientador no desenvolvimento de modelos matemáticos para rotear com eficiência grandes quantidades de dados da Internet.

Esses algoritmos se tornaram a base para Akamai Technologies , que os dois fundaram em 1998. Lewin, como diretor de tecnologia e membro do conselho da empresa durante o auge do boom da Internet.

A primeira vítima

Em 11 de setembro de 2001 Daniel Lewin embarcou no Boeing 767-223ER da American Airlines em um voo doméstico que partiu do Aeroporto Internacional Logan em Boston com destino ao Aeroporto Internacional de Los Angeles.

Após quinze minutos de voo, os sequestradores feriram pelo menos três pessoas, violaram a cabine à força e dominaram o capitão e o primeiro oficial. Atta, um membro da Al-Qaeda e piloto comercial licenciado, assumiu o controle. Os controladores de tráfego aéreo suspeitaram que o voo estava em perigo porque a tripulação não estava mais respondendo. Eles perceberam que o voo havia sido sequestrado quando os anúncios de Mohamed Atta para os passageiros foram transmitidos involuntariamente ao controle de tráfego aéreo. A bordo, as comissárias Amy Sweeney e Betty Ong contataram a American Airlines e forneceram informações sobre os sequestradores e ferimentos em passageiros e tripulantes. Durante uma ligação de quatro minutos para o centro de operações da American Airlines, a comissária de bordo Betty Ong forneceu informações sobre a falta de comunicação e acesso à cabine do piloto e também forneceu a localização dos assentos dos sequestradores, o que mais tarde ajudou os investigadores a determinar suas identidades.

MEMORIAL 11 DE SETEMBRO - O nome de Lewin está localizado no Painel N-75 da Piscina Norte do Memorial Nacional do 11 de Setembro, junto com os de outros passageiros do Voo 11.
MEMORIAL 11 DE SETEMBRO – O nome de Lewin está localizado no Painel N-75 da Piscina Norte do Memorial Nacional do 11 de Setembro, junto com os de outros passageiros do Voo 11.

O Voo 11 da American Airlines foi sequestrado por cinco membros do grupo terrorista al-Qaeda liderados por Mohamed Atta que derrubou deliberadamente o avião na Torre Norte do World Trade Center na cidade de Nova York, matando todas as 92 pessoas a bordo e 1.402 pessoas na zona de impacto da aeronave e acima dela.

Daniel Lewin é considerado a primeira vítima dos ataques terroristas de 11 de Setembro de 2001. Ele foi esfaqueado a bordo do vôo 11 da American Airlines após tentar impedir o sequestro. De acordo com a Comissão do 11 de Setembro, Lewin estava sentado na classe executiva no assento 9B, perto dos sequestradores Mohamed Atta , Abdulaziz al-Omari e al-Suqami. Lewin tentou confrontar um dos sequestradores à sua frente, sem saber que al-Suqami estava sentado logo atrás dele.

Se a disposição dos assentos fosse diferente, é possível que Lewin pudesse ter feito a diferença naquele dia. Como Raskin nos lembra, este homem brilhante e combativo certamente teria tentado.

11 DE SETEMBRO DE 2001 - Há 20 anos o terrorismo provocou o maior atentado terrorista contra o Ocidente, contra o mundo livre.
11 DE SETEMBRO DE 2001 – Há 20 anos o terrorismo provocou o maior atentado terrorista contra o Ocidente, contra o mundo livre.

Naturalizados

Hoje o mundo livre recorda os 20 anos dos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001. Relevante afirmar que todos os terroristas islâmicos antes de cometerem os atentados foram acolhidos como cidadãos insuspeitos. Mohamed Atta um dos terroristas suicidas do voo 11 da American Airlines, o primeiro avião a chocar-se contra as torres gêmeas do World Trade Center e líder do atentado de 11 de setembro de 2001 em Nova York, morou em Hamburgo de 1992 a 1999. Na Alemanha, Atta foi registrado como cidadão dos Emirados Árabes Unidos.

A série de ataques suicidas contra os Estados Unidos, coordenados pelo fundamentalismo islâmico (Al Qaeda) em 11 de setembro de 2001 deixou 2.977 vítimas fatais e 6.291feridos. O fato é que ataques jihadistas espalharam-se no mundo livre. Em março de 2004 na Espanha explosões de bombas em trens no subúrbio de Madri, deixaram 191 mortos. A escalada jihadista chegou a França. Desde janeiro de 2015, uma onda de atentados, a maioria reivindicados pelo Estado Islâmico (ISIS) deixou ao todo 239 mortos. Explosões de bombas e atropelamentos, reivindicados pelo Estado Islâmico, mataram centenas de pessoas. Espanha, França, Alemanha, Reino Unido e Suécia sofreram ataques terroristas contra pedestres desde julho de 2016. Na Bélgica o atentado provocou 34 mortos. O atentado em Berlim, 12 mortos e na Grã-Bretanha, atropelamentos e explosões ceifaram a vida de 35 inocentes. Entre as vítimas, muitas crianças. O terrorismo jihadista ampliou suas ações contra o mundo livre. O alvo: civis.

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome