De Blumenau, Rio Raffael, para Buchenwald, Alemanha

O escultor e artista gráfico alemão Theo Balden nasceu em 6 de Fevereiro de 1904 na localidade de Rio Raffael (hoje Ibirama), perto da cidade de Blumenau, Brasil, em uma família de imigrantes alemães e faleceu em 30 de Setembro de 1995 em Berlim.

Theo na verdade chamava-se Otto Koehler. Depois de um acidente fatal do pai, o menino de dois anos saiu de Rio Raffael e veio para Berlim com a mãe e dois irmãos. Ele cresceu em condições estéreis. Em 1923, por um curto período estuda na Bauhaus Weimar. Após a tomada do poder em Berlim pelos nacional-socialistas Theo Balden tornou-se membro da resistência e foi preso em janeiro de 1934.

Libertado da prisão com restrições em 1935, fugiu para Praga sob o nome falso de Theo Balden (nunca renunciou ao nome que assumiu por cruzar a fronteira) e finalmente, em janeiro de 1939, pouco antes da ocupação alemã na República Tcheca fugiu para a Gran-Bretanha.

Suas experiências pessoais como perseguido projetou em desenhos e relevos. As obras exiladas, notavelmente o “judeu espancado”, estão entre as primeiras obras que tratam da perseguição e assassinato de judeus na ditadura nazista.

MEMORIAL NO CAMPO DE CONCENTRAÇÃO DE BUCHENWALD (MITTELBAU-DORA MEMORIAL)

O campo de concentração de Buchenwald, localizado no atual estado da Turíngia (Thüringen), no leste da Alemanha, foi erguido na colina de Ettersberg, a cerca de oito quilômetros do centro de Weimar, constituiu-se num campo de trabalhos forçados para indivíduos considerados inimigos do nazismo, como Comunistas, Judeus, Testemunhas de Jeová, ciganos e homossexuais. O lema nazista sobre o seu portão era Jedem das seine (A cada um o seu). Voltado para a produção de armamentos, funcionou de Julho de 1937 a Abril de 1945, por aqui tendo passado mais de duzentos e cinquenta mil detentos. Estima-se que aqui pereceram mais de cinquenta mil pessoas, vítimas de fome, doenças, assassinatos e violência arbitrária dos soldados da Schutzstaffel (SS).

Em memória das vítimas o escultor Theo Balden criou um monumento no memorial do campo de concentração. Em 1979, foi colocado no antigo crematório do campo, em frente aos incineradores. Por quatro anos de trabalho, o escultor lutou com a forma do monumento.

Receba notícias do Farol em seu WhatsApp

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome