quinta-feira, 29 de setembro de 2022
19.7 C
Blumenau

Aprovado tratamento fora da cobertura do rol da ANS

O Senado Federal aprovou ontem (29) projeto de lei que obriga os planos de saúde a cobrirem procedimentos fora da lista da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), o chamado rol taxativo. A matéria segue para sanção presidencial.

A discussão da matéria ocorreu após o Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidir que as operadoras não são obrigadas a cobrir procedimentos médicos que não estão previstos na lista da ANS. A matéria já havia sido aprovado na Câmara dos Deputados.

Ao ser analisado pelos deputados, foram estabelecidos critérios para que um tratamento seja incluído na cobertura dos planos de saúde: tenha eficácia comprovada cientificamente;
seja recomendado pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec) e seja recomendado por pelo menos um órgão de avaliação de tecnologias em saúde com renome internacional.

Congresso Nacional do Brasil em noite de lua cheia - foto de Rodolfo Stuckert
Congresso Nacional do Brasil em noite de lua cheia – foto de Rodolfo Stuckert

Justiça

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu em junho que as operadoras não são obrigadas a cobrir procedimentos médicos que não estão previstos na lista da ANS. A Segunda Seção do STJ entendeu que o rol de procedimentos definidos pela agência é taxativo, ou seja, os usuários não têm direito a exames e tratamentos que estão fora da lista.

Após a decisão, diversos partidos e entidades recorreram ao Supremo Tribunal Federal para derrubar a decisão. Para os recorrentes, o entendimento do STJ prejudica os pacientes, que podem ter tratamentos suspensos.

Para o relator do projeto, senador Romário (PL-RJ), a decisão do STJ foi “injusta” e “a pior possível”. “Hoje é um dia histórico, um dia em que a sociedade brasileira se mobiliza e vence o lobby poderoso dos planos de saúde. O rol taxativo é o rol que mata. Vidas humanas importam e ninguém pode ter recusado um tratamento de saúde”, justificou.

Matéria segue agora para sanção presidencial.

Redação
Redação
Acompanhe nosso trabalho diariamente.
+ notícias

Últimas notícias

- publicidade -

Mais lidas