Justiça nega liberdade de embriagado em colisão mortes na BR-470

A vara criminal de Gaspar negou na tarde desta quarta-feira (27) o pedido de revogação da prisão preventiva do motorista Evanio Wylyan Prestini, envolvido no acidente que matou duas jovens no sábado (23).

Em sua decisão, a juíza Camila Murara Nicoletti afirmou que “é inconteste a gravidade concreta do crime, tanto pela morte prematura de duas jovens e o risco de morte para outras três, quanto pela forma como se deu a conduta delituosa. O exame de alcoolemia e os vídeos apresentados, demonstram que o requerente conduziu veículo automotor sob efeito de bebida alcoólica por longo trecho, expondo em risco a vida de inúmeras pessoas que trafegavam pela rodovia BR-470.”

O advogado de defesa Cláudio Gastão havia solicitado a revogação argumentando que a “a indignação popular não serve como motivação para validar decreto de prisão preventiva”. Porém, a juíza declarou que “a gravidade do delito e o modus operandi justificam o decreto prisional como garantia da ordem pública”.

A defesa também havia solicitado a transferência, já que a família não pode ir a Blumenau por ter recebido ameaças por telefonemas e outros meios, além de que haveria um parente de uma das vítimas na mesma unidade prisional. Sobre a pauta, a juíza afirmou que o pedido “deverá ser formulado à Administração Prisional a que se encontra vinculado e dependerá da avaliação administrativa”.

Veículo Jaguar de acusado capotou na colisão
Veículo Jaguar de acusado capotou na colisão

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome