Flamengo e Fluminense irão decidir Campeonato Carioca

O Campeonato Carioca de 2017 será decido entre Flamengo e Fluminense que merecidamente se classificaram para a grande final. Depois do Fluminense passar pelo Vasco no último sábado, neste domingo foi a vez do Flamengo garantir presença na final do Estadual


Acompanhe como foi os dois jogos da semifinal.

Com direito a Golaço, Fluminense goleia o Vasco, e se classifica para a final do Carioca

O jogo – Mesmo precisando da vitória para avançar à final, o Vasco manteve a postura adotada desde a chegada de Milton Mendes ao comando da equipe. Diante de adversários de peso, o treinador usa da cautela, fecha sua equipe,e exige muita disposição na marcação.

Coube ao Fluminense, então, propor o jogo. Melhor em campo, o Tricolor de Abel Braga adiantou a marcação e criou muitas chances de marcar na primeira etapa.

Aos sete minutos, Lucas puxou o contra-ataque e tocou para Pedro, que devolveu na frente. O lateral-direito entrou na área e chutou cruzado, mas Martín Silva fez a defesa e cedeu o escanteio.

O Flu pressionava o Vasco, e aos dez Wellington Silva escapou pela esquerda, entrou na área e cai numa dividida com Douglas. A bola sobrou do outro lado para Sornoza, que arriscou de fora da área e obrigou o goleiro do Vasco a trabalhar mais uma vez.

O primeiro avanço do Vasco a levar perigo à meta Tricolor foi aos 15 minutos. Nenê dominou no grande círculo e lançou Guilherme na esquerda. O meia avançou em velocidade até a ponta, e cruzou na área para a entrada de Pikachu, mas Wellington fez o corte e impediu a finalização do adversário.

O Vasco melhorou em campo e equilibrou o jogo, que era lá e cá. Aos 19, falta na intermediária do Flu pela esquerda. Bola levantada na área e Rodrigo e Luís Fabiano tentam o cabeceio mas falham. A defesa corta e a bola sobra para Gilberto, que arrisca da entrada da área mas erra o gol e manda para fora.

O primeiro gol do jogo quase saiu aos 21, após uma bela jogada do jovem Wendel, pela esquerda. O volante deixou todo mundo para trás, entrou na área e tocou para Pedro, que chutou de primeira. Destaque do lance, o lateral Henrique fez o corte, mas a bola sobrou para Richarlison, que ajeitou e soltou a bomba. Henrique se jogou e tirou a bola do caminho do gol pela segunda vez.

Aos 27 foi a vez de outro jovem da base Tricolor fazer boa jogada pela esquerda. Léo se livrou da marcação e rolou para Wellington, que ajeitou e mandou um balaço com endereço certo no ângulo, mas Martín Silva espalmou para escanteio.

O Vasco teve sua grande chance do primeiro tempo aos 30 minutos. Jogada que começou com Gilberto pela direita do ataque, bola tocada para Nenê na ponta, ele penetrou e cruzou para o meio da área. Douglas tem o chute prensado pela zaga e a bola sobrou para Gilberto, de frente para o gol, errar o alvo e mandar pela linha de fundo.

O Cruz-maltino ainda teve outra chance antes do apito finalizar a primeira etapa. Nenê cobrou falta da intermediária pela esquerda e Luís Fabiano cabeceou da entrada da pequena área. A bola quicou no chão e saiu por cima do travessão.

Se o jogo já foi quente no primeiro tempo, esquentou ainda mais no segundo. O Flu abriu o placar com 5 minutos: Lucas é puxado por Pikachu na entrada da área e o árbitrou assinalou a falta. Sornoza cobrou e Richarlison acertou a cabeçada. Martín Silva defendeu mas deu o rebote, que o próprio Richarlison aproveitou e mandou para o barbante.

Cinco minutos depois veio o segundo, e que golaço. Wendel toca para Lucas na lateral da área pela direita, ele dá um lençol no marcador e cruza por baixo. Wellinton aparece e toca de letra por baixo das pernas do goleiro.

Com a desvantagem de 2 gols e precisando da vitória, a situação do Vasco já era complicada, mas ficou pior ainda quando Wellinton fez um carnaval pela esquerda e Douglas derrubou o atacante do Flu. O juiz considerou a jogada violenta e expulsou o volante do Vasco.

Daí em diante só deu Flu. Aos 25, Pedro recebeu na entrada da área e soltou uma bomba, mas Martín defendeu. No minuto seguinte, Sornoza cobrou falta na ponta esquerda e levantou na área. Léo subiu livre e cabeceou para fazer o terceiro. A fatura estava liquidada.

FLUMINENSE 3 X 0 VASCO

FLUMINENSE
Diego Cavalieri, Lucas, Renato Chaves, Henrique (Manga Escobar) e Léo; Jefferson Orejuela, Wendel (Lucas Fernandes) e Junior Sornoza; Wellington Silva (Marcos Junior), Richarlison e Pedro (Marquinho)
Técnico: Abel Braga

VASCO
Martín Silva, Gilberto, Rafael Marques, Rodrigo e Henrique; Jean, Douglas, Guilherme, Nenê e Yago Pikachu (Thalles); Luis Fabiano (Wagner)
Técnico: Milton Mendes

Gols: Richarlison, aos 5, Wellington Silva, aos 10, e Léo, aos 26 min do 2º tempo (Fluminense)
Cartões amarelos: Jean, Henrique, Nenê (Vasco); Lucas (Flu)
Cartão vermelho: Douglas (Vasco)

Local: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 22 de abril de 2017 (Sábado)
Horário: 19h(de Brasília)
Renda: R$ 832.320,00
Público: 23.564 pagantes
Árbitro: Rodrigo Nunes de Sá (RJ)
Assistentes: Wagner de Almeida Santos (RJ) e Diego Luiz Couto Barcelos (RJ)

Com dois de Guerrero, Flamengo derrota Botafogo e chega mais uma final do Carioca

Após um primeiro tempo sem gols, o clássico ficou mais movimentado na segunda etapa. Logo aos 3 minutos, Éverton mandou a bola na área, Victor Luis tirou mal, e Guerrero pegou a sobra, finalizando para o fundo do gol.

Aos 20 minutos, o Flamengo chegou ao segundo gol. Éverton finalizou de dentro da área, a bola bateu na mão de Fernandes e o árbitro marcou a penalidade. Na cobrança, Guerrero chutou forte no meio do gol, deixando o Flamengo bem perto da decisão.
Na reta final do confronto, o Botafogo conseguiu descontar. Aos 40 minutos, Réver empurrou Sassá dentro da área e o árbitro assinalou a penalidade. O mesmo Sassá cobrou com categoria e diminuiu.

O clássico Fla-Flu ocorrerá na final do Campeonato Carioca pela primeira vez desde 1991. As decisões acontecem nos próximos dois domingos, sem vantagem para
nenhuma das equipes.

“Será um jogo difícil, dureza, o Fluminense tem um ataque eficiente. Vamos procurar neutralizar, tivemos dificuldades na final da Taça Guanabara. Agora é esquecer o que ficou para trás. É uma nova decisão, onde realmente vale o título. Vamos em busca desse título no primeiro semestre”, disse o zagueiro Réver.

Antes da final, o Flamengo volta a campo na próxima quarta-feira, quando visita o Atlético Paranaense, na Arena da Baixada, pela quarta rodada do grupo 4 da Libertadores. O Flamengo lidera com 6 pontos, dois a mais que os paranaenses.
Já o Botafogo tem compromisso pela Copa do Brasil, também na quarta, no Engenhão. O adversário será o Sport, na primeira partida das oitavas de final.

O jogo
Flamengo e Botafogo fizeram um primeiro tempo sem emoções ofensivas e com poucos lances de área. Mesmo com a vantagem do empate, foi o Rubro-Negro que assumiu a iniciativa de propor o jogo e foi mais incisivo nos 45 minutos iniciais, mas o domínio territorial não se traduziu em poderio ofensivo. Muito pelo contrário, sem contar com seu principal armador, já que Diego passou por cirurgia no joelho, o Flamengo sofreu com a falta de organização no meio de campo, e Guerrero ficou isolado na frente.

Ao contrário do adversário, que teve a semana livre para treinar, o Botafogo veio de desgastante viagem ao Equador, onde encarou o Barcelona de Guayaquil no meio da semana, pela Libertadores. Assim, Jair Ventura, embora tenha optado por escalar seus titulares, posicionou sua equipe atrás da bola e abdicou da posse de bola em busca de um lance salvador.

Só o Flamengo chegou com perigo no primeiro tempo, em três ocasiões. Aos 17, Everton fez boa jogada pela ponta esquerda e cruzou na área. William Arão ajeitou para Guerrero dominar no peito e chutar rasteiro, mas Gatito estava atento e fez boa defesa.

Aos 32, novo cruzamento da esquerda de Everton, que Gabriel tocou de cabeça para Rômulo e este tentou por cobertura, também de cabeça, mas a bola saiu à esquerda da meta Alvinegra.

Aos 40, a torcida se levantou, mas não valia mais nada. Guerrero, da intermediária, enfiou para Everton na área. Ele rolou para Gabriel completamente livre na entrada da pequena área, mas em impedimento, e o meia-atacante tocou para a rede.
O Flamengo voltou para a segunda etapa tentando imprimir mais velocidade, enquanto o Botafgo já dava sinais de cansaço. Não demorou e saiu o primeiro gol. Como foi rotina na partida, Everton foi acionado na esquerda e levantou na área. Víctor Luís cortou de cabeça, mas a bola caiu no pé de Guerrero, que, de primeira, mandou um balaço que parou no fundo da rede de Gatito, aos 4 minutos.

O Flamengo continuava melhor e seguiu atacando. Aos 7, novo cruzamento de Everton da esquerda, e a bola foi na cabeça de Gabriel, na altura da marca do pênalti. O meia-atacante, porém, concluiu mal e mandou longe do gol.

Com a desvantagem no placar, Jair Ventura mudou o esquema de jogo e foi para o tudo ou nada. Aos 11 minutos, fez duas substituições de uma vez, tirando o volante Dudu Cearense e o atacante Roger, para colocar dois avantes, Sassá e Guilherme.
Aos 13, Guerrero fez boa jogada pela esquerda e rolou para o meio para a entrada de Trauco. O lateral peruano armou o chute e soltou a bomba, obrigando Gatito a espalmar a bola para evitar o segundo.

Mesmo com as substituições, o Botafogo não mostrava sinais de reação, e a situação ficou pior aos 19. Everton chutou dentro da área e a bola bateu no braço de Fernandes. Pênalti que Guerrero cobrou com força, no meio do gol, para praticamente liquidar a fatura.

Com a boa vantagem construída, Zé Ricardo fez duas substituições. Everton e Rômulo, que vêm de lesões, foram poupados para as entradas de Renê e Berrío. Trauco foi deslocado para o meio de campo e Gabriel passou a atuar mais centralizado.

O Rubro-Negro continuou mais incisivo e Guerrero perdeu gol incrível aos 38. Pará avançou pela direita e enfiou na frente para Berrío. O colombiano tocou de primeira para o meio e achou Guerrero livre na marca do pênalti, mas o peruano demorou a concluir e Fernandes apareceu no último segundo para colocar o pé na frente da bola e afastar o perigo.

O Botafogo respondeu com Sassá, que recebeu na área, driblou Muralha, mas perdeu o ângulo e acabou chutando para fora, naquela que foi a melhor chance do Alvinegro na partida.

No minuto seguinte, o mesmo Sassá foi derrubado na área por Réver, e o árbitro assinalou a penalidade máxima. O mesmo Sassá cobrou no canto esquerdo e diminuiu para o Botafogo.

FICHA TÉCNICA:
FLAMENGO 2 X 1 BOTAFOGO
Local: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 23 de abril de 2017 (Domingo)
Horário: 16h(de Brasília)

Renda: R$ 974.080,00
Público: 17.140 pagantes (20.853 presentes)

Árbitro: Leonardo Garcia Cavaleiro (RJ)
Assistentes: Luiz Cláudio Regazone (RJ) e Thiago Neto Corrêa Farinha (RJ)

Cartões amarelos: Guerrero, Everton, Mancuello (Fla); Camilo, Joel Carli (Bota)

Gols:
FLAMENGO: Guerrero, aos 4, e aos 20 min do 2º tempo
BOTAFOGO: Sassá, aos 42 min do 2º tempo

FLAMENGO: Alex Muralha, Pará, Rever, Rafael Vaz e Trauco; Márcio Araújo, Rômulo (Berrío), Willian Arão e Gabriel (Mancuello); Everton (Renê) e Paolo Guerrero. Técnico: Zé Ricardo

BOTAFOGO: Gatito Fernández, Fernandes, Emerson Silva, Joel Carli e Víctor Luís; Dudu Cearense (Guilherme), Rodrigo Lindoso (Gilson), João Paulo e Camilo; Rodrigo Pimpão e Roger (Sassá). Técnico: Jair Ventura

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here