Teka não possui capacidade para se recuperar as suas próprias forças

O plano de recuperação judicial da Teka Tecelagem Kuehnrich foi aprovado em Assembleia de Credores. Nele está incluso a intenção de venda de imóveis e parcelamento de dívidas a longo prazo. Essa é considera uma cartada final da companhia têxtil de 87 anos, que acumula prejuízos a uma década.

Meios próprios?

Anderson Onildo Socreppa, Administrador Judicial da empresa, disse: “A Teka não possui capacidade (e nem mesmo tem-se estratégia para tal fim) para se recuperar as suas próprias forças e estratégias internas”. Após o pedido de Recuperação Judicial em outubro de 2012, a situação financeira se agravou.

Socreppa ainda aponta que após o deferimento da recuperação as instituições financeiras se retraíram de forma “agressiva”, não fornecendo o crédito necessário para dar fluxo as operações. Segundo ele, no momento do pedido não existia nem capital de giro, nem mesmo matéria prima.

O débito submetido a recuperação é de R$ 458 milhões, mas o passivo total passa de de R$ 1 bilhão. Em Setembro a empresa teve um faturamento de aproximadamente R$ 13,8 milhões. O administrador frisou que o faturamento deve ultrapassar R$ 20 milhões para que o negócio seja rentável.

Recuperação

O deferimento da recuperação pode ser a última oportunidade de a empresa se recuperar. A venda de imóveis em em Mogi Mirim, Indaial e Blumenau é prevista para se livrar de parte das dívidas e reforçar o caixa afim de recuperar a capacidade fabril. Desta forma, a Teka seria locatária de seu antigo patrimônio.

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome