O Porto é o filme que abre o CineArte de maio

o-portoO Porto é o filme escolhido para abrir o CineArte de maio, nesta segunda-feira, dia 4, às 19h30, no Cine Teatro Edith Gaertner. A história de um escritor que aprecia a boemia é a pedida para a noite dos cinéfilos blumenauenses. A indiferença humana diante das dificuldades alheias se contrapõe ao desejo de servir o próximo. A entrada é franca.

Marcel Marx (André Wilms) é um escritor conhecido pela boemia. Por vontade própria ele resolveu se exilar na cidade portuária de Havre, onde passa a trabalhar como engraxate de sapatos.

A nova função faz com que Marcel se sinta mais próximo das pessoas, já que pode servi-las. Ele leva uma vida tranquila ao lado da esposa Arletty (Kati Outinem), até o dia em que uma criança negra vinda da África surge em sua vida. Paralelamente fica doente, o que faz com que Marcel mais uma vez tenha que lidar com a indiferença humana.

Saiba mais

4 de maio
O Porto (Diretor Aki Kaurismäki. 2011. 93 min, legendado, 12 anos)

11 de maio
Na teia do destino (Diretor Max Ophüls. 1949. 80 min., legendado, 14 anos)

Sinopse: Quando o aproveitador namorado de sua filha aparece morto em circunstâncias suspeitas, a dona de casa Lucia Harper (Joan Bennett) decide se livrar do corpo, com medo da repercussão do caso. A situação se complica quando Martin Donnelly (James Mason), parceiro do falecido, surge com cartas incriminatórias e começa a chantagear Lucia.

18 de maio
O espírito da colméia (Diretor Victor Erice. 1973. 97 min. 16 anos)

Sinopse: As duas pequenas irmãs Ana (Ana Torrent) e Isabel (Isabel Tellería) moram em terras rurais da Espanha, na década de 1940. Após assistirem ao filme Frankenstein (1931) ficam obcecadas pelo estranho personagem e tentam encontrá-lo.

25 de maio
Os Falsários (Diretor Stefan Ruzowitzky. 98 min., legendado)

Sinopse: 1944. Após ser preso e levado a um campo de concentração, Salomon Sorowitsch (Karl Markovics) concorda em ajudar os nazistas em uma operação de falsificação criada para financiar os esforços de guerra. Neste processo mais de 130 milhões de libras esterlinas foram impressas. Como o Reich sabia que o fim da guerra estava próximo, ordenou que fossem impressas notas na moeda dos inimigos da Alemanha. A intenção era que esta atitude minasse a economia dos países e, ao mesmo tempo, ajudasse os cofres alemães. Tratava-se da Operação Bernhard, que contou com a participação de prisioneiros de diversos campos de concentração.

Local: Cine Teatro Edith Gaertner, Fundação Cultural de Blumenau (Rua XV de Novembro, 161, Centro)
Horário: 19h30min
Entrada franca

Sérgio Antonello

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome