O caminho correto

O caminho correto
O caminho correto

Na história moderna, os momentos de maiores ganhos foram realizados dentro de uma relativa paz social. Tal cenário permitia a representação e o equilíbrio de forças entre os eleitos e os eleitores. De acordo com Robert Dahl, os direitos estão em blocos necessários para a construção de um governo democrático.

Dessa forma, não é aceitável qualquer medida que diminua os direitos e garantias fundamentais/sociais. Não pode ser permitido qualquer flerte ou namoro com o autoritarismo e o totalitarismo. Também não nos deixemos persuadir ao fácil discurso liberal que confunde, e em alguns casos iguala, o liberalismo econômico irrestrito com governos democráticos. De acordo com Norberto Bobbio, o liberalismo não compõe necessariamente mais participação popular, ao contrário, ela pode formar um governo autocrático.

É necessário que façamos nossas revoluções dentro do jogo democrático. O que nossos governos precisam é coragem. Grandes nomes mudaram o curso de seus países com coragem e princípios, como é o caso do ex-presidente norte americano John Kennedy ao enfrentar o seu partido por interesses da união nacional, ou como fez Winston Churchill ao negar o acordo de paz com a Alemanha. Os exemplos também chegam à jovem democracia Brasileira, mais precisamente ao presidente Itamar Franco quando ofereceu a renuncia da presidência república caso os partidos não permitissem a governabilidade e posterior estabilidade econômica.

As revoluções no espírito democrático traduzem mais direitos, mais garantias e mais progresso econômico. Qualquer revolução fora das regras do jogo traduz incerteza e gera a intolerância típica dos governos ditatoriais. O caminho seguro a se seguir é usar a ampliação da participação popular como forma de revolução social. Devemos agir para que a informação e a cultura cheguem ao cidadão através da disponibilização de instrumentos que lhe permita assimilar os debates políticos que acontecem no país. O desenvolvimento do Estado se dá quando a população têm a dimensão da responsabilidade que a cidadania traz.

Referências:

Dahl, Robert. Livro “Sobre a democracia”.
Bobbio, Norberto. Livro “Liberalismo e democracia.
Kennedy, Jonh. Livro “Perfis de coragem”.
Churchill. Livro “memórias da segunda guerra mundial”

Receba notícias do Farol em seu WhatsApp

Um comentário

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome