Número de grevistas diminui aos poucos, diz prefeitura

A pressão da Administração Municipal de Blumenau para que os servidores grevistas retornassem ao trabalho vem dando alguns resultados. Em nota, a prefeitura argumenta que os trabalhadores estão voltando ao trabalho “aos poucos”. Só na área da saúde,  cerca de 124 servidores voltaram aos postos de trabalho.

A educação é um dos setores com maior mobilização grevista, apesar de a justiça ter ordenado a volta deste serviço, assim como a saúde. Segundo os dados da prefeitura, no dia 30 de maio eram 55 centro de educação infantil fechados, e na terça-feira (17) eram 28.

Um fator que vem pesando em prol da retomada da normalidade é um despacho do desembargador Carlos Adilson Silva que autorizou a Administração Municipal a descontar os dias parados dos servidores dos serviços essenciais. Ele ressalta que apesar da greve ser um direito, a educação e a saúde devem ser mantidas em sua totalidade.

Proposta do Sintraseb

Na quarta-feira (18) o Sindicato Único dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal de Blumenau (Sintraseb) apresentou uma proposta para volta ao trabalho. Ela prevê a reposição das perdas salariais históricas acumuladas durante o Governo do petista Décio Lima, com percentual de 3% ao ano; a revisão da tabela salarial, iniciando com os menores salários; plano de Cargo, Carreira e Salários da Saúde e o não desconto dos dias parados para a reposição e a retomada da Mesa de Negociação Permanente.

Uma das clausulas também prevê “a retirada do processo de criminalização do movimento de greve”. A chamada “criminalização” é porque a coordenadora do Sintraseb, Sueli Adriano pode, ser indiciada criminalmente por não obedecer a decisão que pede a retomada do serviço de Saúde e Educação. O prefeito Napoleão Bernardes disse que vai responder a proposta na próxima semana.

Proposta da prefeitura rejeitada

Na segunda-feira (16), a Prefeitura de Blumenau apresentou duas propostas em um só dia. A primeira prevê reajuste de R$ 16,00 no Vale Alimentação para 2015 e R$18,00 por dia trabalhado em 2016, a elaboração do Plano de Carreira, Cargos e Vencimentos da Saúde e a continuidade das negociações com o fim da greve.

Já a segunda proposta previa que os descontos dos dias parados dos servidores grevistas da saúde e educação sejam parcelados em até três vezes. Segundo nota da Administração Municipal, essa proposta não passou por votação dos servidores, mesmo tendo sido apresentada antes da assembleia realizada durante a tarde de ontem.

As duas foram rejeitadas.

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome