quinta-feira, 29 de setembro de 2022
19.7 C
Blumenau

Mikhail Gorbachev, o único cavalheiro do Kremlin a resistir ao desejo de poder

Ele mudou o mundo inteiro, desmantelou o totalitarismo, desencadeando um dos processos de transformação mais poderosos da história. Ele quase ousou fazer o impossível: a democratização da União Soviética. Como um dos pais da unidade alemã, ele garantiu seu lugar na história. Mikhail Sergeevich Gorbachev deu liberdade ao seu país, a esperança de uma vida civilizada. Por mais brega que pareça, ele esperava incansavelmente o melhor das pessoas, seu bom senso, sua disciplina. Essa esperança foi amargamente frustrada: “Estamos realmente condenados a viver em uma ditadura com Putin?”, perguntou certa vez.

Mikhail Gorbachev: o homem que mudou o mundo

O mundo lamenta a perda de um grande político e reconciliador: morreu o vencedor do Prêmio Nobel da Paz russo Mikhail Sergeyevich Gorbachev. O homem que iniciou o desarmamento nuclear, um dos pais da unidade alemã morreu em Moscou na noite de terça-feira (30AGO22) aos 91 anos. 

Nos últimos anos, Gorbachev – conhecido pelos alemães como “Gorbi” vinha atuando principalmente como autor de livros e se pronunciou sobre tópicos atuais, como o conflito na Ucrânia. De acordo com o ex-editor-chefe do Echo Moscow , Alexei Venediktov, Gorbachev criticou duramente a guerra de agressão da Rússia contra o país vizinho. Na época, no entanto, ele não havia feito nenhuma declaração oficial. Em anos anteriores, no entanto, Gorbachev também havia reclamado que, após a unidade alemã, amplamente apoiada por Moscou, havia novamente imagens do inimigo como nos tempos da Guerra Fria. Ele também viu uma alienação entre alemães e russos. Em seu último livro “O que está em jogo agora”, ele criticou a “postura triunfal” do Ocidente. “Gorbi” ficou desapontado que os alemães, juntamente com a UE e os EUA, estivessem seguindo uma política de sanções contra a Rússia no conflito na Ucrânia . “Porque as sanções têm apenas um efeito: a alienação mútua está aumentando.

Para alguns um herói, para outros o coveiro da União Soviética

Gorbachev já havia garantido seu lugar na história no final da década de 1980. Com sua política de glasnost (abertura) e perestroika (reestruturação), criou as condições para o fim da Guerra Fria entre Oriente e Ocidente e também para a queda do Muro de Berlim em 1989. Ele esteve ausente das comemorações do 30º aniversário em 2019 por motivos de saúde. 

O presidente federal da Alemanha Frank-Walter Steinmeier agradeceu a ele em uma carta. “Não esqueceremos que o milagre da reunificação pacífica do meu país e o fim da divisão da Europa não teriam sido possíveis sem as decisões corajosas e humanas que você tomou pessoalmente na época”, afirmou. 

A nova linha de Moscou, que foi recebida com entusiasmo pelos cidadãos da RDA na época, ainda é considerada um avanço para a liberdade e a democracia. A então chanceler Angela Merkel (CDU) elogiou Gorbachev em seu aniversário de 80 anos como uma personalidade perspicaz que ajudou a tornar possível a revolução pacífica. Em 1990, ele recebeu o Prêmio Nobel da Paz por isso.

Até hoje, seu nome também significa desarmamento nuclear histórico que ele iniciou com o presidente dos EUA, Ronald Reagan. Antes de morrer, no entanto, “Gorbi” teve que assistir ao término de um tratado de desarmamento após o outro. Ele alertou para uma nova corrida armamentista: “O perigo de uma militarização do espaço sideral e do ciberespaço é real e as possíveis consequências são catastróficas”.

O chefe do Kremlin na época queria modernizar o comunismo com suas reformas – no final, ele mesmo iniciou o colapso da superpotência União Soviética, o fim do império do poder comunista. Muitos de seus concidadãos se ressentiam dele. Aos seus olhos, Gorbachev era um político com liderança fraca e sem instinto de poder, o “coveiro da União Soviética”. Dizia-se que ele havia mergulhado o país no caos, na fome e na pobreza com erros políticos. 

Em um balanço, o ex-chefe de Estado e do partido disse uma vez que a sociedade soviética não estava pronta para reformas maciças. Mas o próprio Gorbachev teve que enfrentar desafios que ele não estava à altura. Um de seus momentos mais difíceis foi a explosão de um reator na usina nuclear de Chernobyl em 1986. Ela não só levou à maior catástrofe nuclear no uso civil da energia nuclear com consequências fatais de contaminação radioativa. O super colapso também é um símbolo para o início do fim da União Soviética.

Mikhail Gorbachev permaneceu fiel aos seus ideais

Apesar da rejeição generalizada em casa, Gorbachev permaneceu fiel aos seus ideais. Ele repetidamente denunciou o partido Rússia Unida do Kremlin de hoje como “uma cópia ruim do Partido Comunista da União Soviética”. A constituição, os tribunais, o parlamento – tudo é uma “imitação da democracia”. O presidente Vladimir Putin consolidou seu poder de tal forma que outras forças políticas não têm espaço para respirar, disse ele. 

Por último, mas não menos importante, no contexto da crise na Ucrânia, Gorbachev criticou duramente o Ocidente. Esse conflito criou uma “desordem global” com risco internacional de guerra – e a Rússia não foi tratada como parceira após o colapso da União Soviética. Gorbachev sempre viu a expansão da OTAN para o leste como uma traição do Ocidente às concessões feitas a Moscou durante a reunificação alemã.

Internamente, o autor de muitos livros e artigos pressionou por reformas. “Precisamos de democracia. Sem ela não haverá modernização”, disse Gorbachev com frequência em seu dialeto característico do sul da Rússia. A fundação Gorbachev em Moscou, que abriga um museu sobre a época da reunificação no bloco oriental, está comprometida com essa Rússia. O jornal anti-Kremlin “Novaya Gazeta”, que ele coedita, também luta pela liberdade de expressão em um clima cada vez mais repressivo na Rússia atual.

Os comentaristas do jornal viam Gorbachev, nascido em 2 de março de 1931 em Privolnoye (região de Stavropol), no norte do Cáucaso, como um profeta que não contava para nada em seu próprio país, incompreendido e sozinho. O fato de que Gorbachev destruiu o cidadão soviético dentro de si, desmantelou um sistema totalitário e, ao mesmo tempo, começou a construir uma democracia que é uma conquista histórica inestimável, escreveu certa vez a cientista política Lilija Shevtsova.

Quando Gorbachev foi eleito secretário-geral do Partido Comunista da União Soviética (PCUS) em 11 de março de 1985, os governantes do Kremlin haviam se agarrado ao poder até a morte. Ele e sua esposa Raissa deram à política dos apparatchiks comunistas um rosto humano pela primeira vez. Como líder do maior país do mundo, ele desencadeou sem derramamento de sangue, a autonomia dos países do Bloco Oriental:  Polônia, Hungria, Tchecoslováquia e outros, que foram forçados a uma aliança com a URSS.

Quando a União Soviética entrou em colapso com seus 15 estados membros, muitos povos conquistaram sua independência. A frustrada tentativa de golpe em Moscou em 1991 permitiu que Boris Yeltsin (1931-2007) chega-se ao poder. Gorbachev não teve sorte com a Rússia. Mas os russos tiveram sorte com ele. Essa é a verdade que as novas gerações ainda precisam aprender. 

Sérgio Campregher
Sérgio Campregher
Sérgio Campregher é historiador pela Uniasselvi/Fameblu e fala sobre política nacional e internacional e curiosidades. Escreve de Blumenau.
+ notícias

Últimas notícias

- publicidade -

Mais lidas