Luciano Hang nega que tenha pago por mensagens anti-PT

Luciano Hang, dono da Havan, negou que estaria pagando para impulsionar mensagens
Luciano Hang, dono da Havan, negou que estaria pagando para impulsionar mensagens

O jornal Folha de São Paulo revelou nesta quinta-feira (18) que empresas estariam patrocinando o envio de correntes de mensagens anti-PT e a favor do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL). A Havan, do catarinense Luciano Hang, é uma das acusadas.

A reportagem afirmou que ao menos contratos de ao menos R$ 12 milhões foram utilizados para impulsionar as mensagens que favorecem Bolsonaro. Caso for comprovado, pode ser considerado crime eleitoral.

O empresário Luciano Hang, famoso por sua atuação empresarial e de ativismo político, se manifestou em um vídeo ao vivo às 17h de hoje que as insinuações são falsas. Afirmou que apenas grava vídeos e depois envia para seus amigos via WhatsApp, sem pagar pelo impulsionamento das mensagens. Hang anunciou que irá acionar judicialmente a Folha para que comprove as acusações.

As informações apuradas pela Folha apontam que, dentre outros indícios, empresas que prestam este tipo de serviços estariam sobrecarregadas até o dia 28, quando ocorre a votação pelo segundo. Porém, até o momento, provas fáticas não foram divulgadas para comprovar as acusações.

Fake News

Uma preocupação das campanhas eleitorais é o alto número de notícias falsas, tanto para um lado como para o outro. A Justiça Eleitoral atua constantemente contra, por exemplo, menções de que Fernando Haddad (PT) seria pai do “Kit Gay”  ou que Bolsonaro teria votado contra uma lei de inclusão.

O fenômeno também não é novo, pois uma investigação da BBC Brasil apontou que já em 2010 um blog defendia Dilma Rousseff com rede de fakes no Orkut.

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome