Governo prorroga auxílio de R$ 300 até o fim do ano ao custo de R$ 260 bilhões

Presidente da República, Jair Bolsonaro, durante reunião com ministros e políticos - foto de Marcos Corrêa/PR
Presidente da República, Jair Bolsonaro, durante reunião com ministros e políticos – foto de Marcos Corrêa/PR

O presidente Jair Bolsonaro anunciou hoje (1º) que o auxílio emergencial será prorrogado em mais quatro parcelas de R$ 300. Ele se reuniu nesta manhã ministros e políticos para falar sobre a prorrogação, elevando o custo a R$ 260 bilhões.

O auxílio é destinado aos trabalhadores informais, microempreendedores individuais, autônomos e desempregados, como forma de dar proteção emergencial durante a crise causada pela pandemia da covid-19. O benefício começou a ser pago em abril, e foi estabelecido em três parcelas de R$ 600.

Em junho, por decreto, o governo prorrogou o auxílio por mais duas parcelas, no mesmo valor. E agora, com mais quatro parcelas, em valor menor, o benefício vai se estender até o final do ano. “Resolvemos prorrogá-lo, por medida provisória, até o final do ano”, disse Bolsonaro, em declaração à imprensa após a reunião.

Segundo dados do governo, o custo no benefício ultrapassa os R$ 200 bilhões e deve chegar a R$ 260 bilhões até o fim. O valor é equivalente a dois anos de investimentos no Sistema Único de Saúde (R$ 134 bi) ou na Educação (R$ 142,8 bi). O montante também representa oito anos do custo do Bolsa Família (R$ 32 bi).

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome