F1: Assombro da Mercedes e susto de Alonso, as impressões de Barcelona

Nico Rosberg, o responsável pelo "assombro" provocado pela Mercedes em Barcelona (Xavi Bonilla/Grande Prêmio)
Nico Rosberg, o responsável pelo “assombro” provocado pela Mercedes em Barcelona (Xavi Bonilla/Grande Prêmio)

Empacotados os equipamentos, pilotos todos a caminho de um breve descanso e preparação e impressões que assustam, tanto positiva como negativamente. A F1 encerrou neste domingo a pré-temporada preparatória para o campeonato de 2015, que abre no próximo dia 15 de março em Melbourne, Austrália. A se julgar com o que se viu na pista de Barcelona, a temporada pode ser um repeteco do domínio da Mercedes, que assombrou o circo com tempos fantasmagóricos sem os pneus supermacios.

O desempenho das flexas de prata na Catalunya foi imensamente superior do que se viu timidamente em Jerez. Coube a Nico Rosberg o assombro final da pré-temporada ao superar a Williams de Massa em uma das sessões de teste. O tempo não foi o único susto (ou “aviso”), o que chocou as equipes foi que a marca foi cravada com pneus macios, algo que outros times só conseguiriam com pneus supermacios.

Seria blefe da Mercedes? Ate pode ser um sinal veemente que a escuderia alemã está pronta para continuar a hegemonia de 2015, talvez até com mais força do que no ano anterior, onde algumas vitórias escaparam para as mãos alheias de Daniel Riccardo. Seja como for, a resposta para esta certeza não deve vir ainda na Austrália e o fã de F1 deve torcer para que qualquer outro time se ouse a desafiar as flechas de prata durante o ano.

Veja agora mais impressões e fatos dos testes de Barcelona:

– Se há hoje um contendor “a altura” a Mercedes, sem dúvida esse alguém é a Williams. Durante os testes em Barcelona a equipe experimentou mudanças aerodinâmicas nos carros que podem resultar em evolução da performance em um futuro próximo. A confiança de Felipe Massa e Valtteri Bottas é grande mesmo com o “assombro” das flechas de prata. O otimismo nos lados de Groove é grande e uma vitória neste ano não seria surpresa alguma.

Massa acelera o Williams, o carro que deve chegar mais perto da Mercedes em 2015 (Xavi Bonilla/Grande Prêmio)
Massa acelera o Williams, o carro que deve chegar mais perto da Mercedes em 2015 (Xavi Bonilla/Grande Prêmio)

– Ao que se viu nesta pré-temporada, a Ferrari parece estar muito mais afiada do que se viu em 2014. A competitividade do novo bólido deve deixar a Williams em estado de atenção e pode consolidar o time de Maranello como uma das forças da temporada. O SF15T mostrou-se regular, rápido e constante, liderou sessões de testes e deixou otimista não apenas Sebastian Vettel e o novo “team principal”, Maurizio Arrivabene, mas até mesmo o outrora “gelado” Kimi Raikkonen.

Vettel e a Ferrari: 2014 ficou no passado e o otimismo toma conta do time italiano com o novo carro (Xavi Bonilla/Grande Prêmio)
Vettel e a Ferrari: 2014 ficou no passado e o otimismo toma conta do time italiano com o novo carro (Xavi Bonilla/Grande Prêmio)

– A Red Bull é uma incógnita. Apareceu nos testes chocando com a pintura camuflada mas não andou no ritmo que se esperava de uma equipe de ponta. Ainda buscando extrair do motor Renault o melhor desempenho, o time de Milton Keynes tem uma tarefa complicada neste ano, especialmente com a ausência de Vettel, agora nos lados italianos. Daniel Riccardo vai para a primeira temporada como “lider” do team, e terá de mostrar muito serviço se quiser se destacar entre as forças “secundárias” do grid.

Riccardo nos boxes da Red Bull: Com carro ainda por se acertar, missão do australiano é grande a frente do time de Milton Keynes (Xavi Bonilla/Grande Prêmio)
Riccardo nos boxes da Red Bull: Com carro ainda por se acertar, missão do australiano é grande a frente do time de Milton Keynes (Xavi Bonilla/Grande Prêmio)

– Infelizmente, a nota negativa dos testes foi a McLaren. Já não bastasse o susto (ainda mal explicado) do acidente de Alonso, a equipe de Working se vê as voltas com um tremendo abacaxi nas mãos. O carro não andou suficientemente bem e dignamente para se estabelecer a que pé está o novo projeto. Além do mais, o motor Honda irritou a todos com problemas constantes de mecânica e desempenho. Se os temores se confirmarem, talvez veremos a tradicional equipe usando 2015 como um laboratório para construir um carro verdadeiramente competitivo para 2016.

Jenson Button e o McLaren: Susto de Alonso e problemas constantes tiraram o sono da equipe (Xavi Bonilla/Grande Prêmio)
Jenson Button e o McLaren: Susto de Alonso e problemas constantes tiraram o sono da equipe (Xavi Bonilla/Grande Prêmio)

– Em comparação com o desempenho da temporada passada, a Lotus parece estar mostrando sinais de recuperação depois dos problemas com o carro de 2014. Chegou a liderar sessões de testes e provou que a troca do inconstante motor Renault pelo poderoso Mercedes V6 foi muito acertada. A expectativa ainda é de ver o time mais perto ainda dos primeiros como em temporadas anteriores. No entanto, isto dependerá – e muito – do ímpeto e da cabeça de Maldonado e Grosjean, que ao menos neste ano tem um carro a altura para provarem ser bons pilotos, ao menos.

De motor Mercedes, a Lotus promete surpreender na temporada (Xavi Bonilla/Grande Prêmio)
De motor Mercedes, a Lotus promete surpreender na temporada, se os pilotos ajudarem (Xavi Bonilla/Grande Prêmio)

– A Sauber pode ser considerada, avaliando o desempenho geral na pré-temporada, como a mais agradável surpresa de 2015 até o momento. É sabido que o momento financeiro da equipe suíça não é dos melhores, mas o problema parece não ter refletido no desenvolvimento do novo carro, que fez ótimos testes e chegou a liderar um treino, com Felipe Nasr. Tanto Nasr quanto o companheiro de equipe, o sueco Marcus Ericsson, terão um equipamento consistente e que poderá beliscar bons resultados na temporada. Coisa maior não se dá para pensar ainda…ainda.

Nasr tem motivos para estar confiante. A Sauber foi a grata surpresa da pré-temporada com um carro constante e bem acabado (Xavi Bonilla/Grande Prêmio)
Nasr tem motivos para estar confiante. A Sauber foi a grata surpresa da pré-temporada com um carro constante e bem acabado (Xavi Bonilla/Grande Prêmio)

Rapidinhas

– E eis que depois de alguma espera, a Force Índia colocou na pista de Barcelona o novo modelo para 2015. O VMJ08 andou pouco e chamou atenção pelas linhas conservadoras e pelo “bico-mamilo” semelhante ao da Williams. A pouca quilometragem do novo carro pode ser um problema de primeira necessidade, já que o time indiano não teve tempo para ver com clareza o quanto o novo carro anda.

Enfim, o novo Force India ganhou as pistas. No entanto, falta saber exatamente quanto de performance ele pode dar (Xavi Bonilla/Grande Prêmio)
Enfim, o novo Force India ganhou as pistas. No entanto, falta saber exatamente quanto e quão bem a nova maquina pode andar (Xavi Bonilla/Grande Prêmio)

– Falando em novidades, a Red Bull divulgou a pintura que vai usar em 2015. Comparando com um exótico camuflado, o time não inovou muito e trouxe mais uma vez a combinação do azul (cor principal do team) com o roxo da marca de automóveis Infiniti. Teve fã que não foi muito com a cara da “novidade”, mas a equipe de Milton Keynes já avisou que não tem medo de “fazer diferente”. Ate andar bem sem a asa dianteira a Red Bull já andou durante os testes.

Nova pintura da Red Bull. Pelas poucas mudanças, nem parece tão "nova" assim (Red Bull)
Nova pintura da Red Bull. Pelas poucas mudanças, nem parece tão “nova” assim (Red Bull)

– E felicidade para uma pequena equipe, as vezes, se resume em estar no grid. É assim que resume-se a “boa” notícia da confirmação da inscrição da Marussia-Manor (como deve ser chamada) para participar da temporada desde o GP da Austrália. O time segue a todo vapor adaptando o bólido de 2014 para o regulamento deste ano, enquanto segue aprontando o novo carro.

– Enquanto isso, na terra do Tio Sam, a Nascar Sprit Cup (principal divisão da categoria) reuniu-se novamente para a segunda prova da temporada, no oval de Atlanta. A vitória ficou com o seis vezes campeão e veterano do grid, Jimmie Johnson. Ele deu um verdadeiro show de experiencia nas 325 voltas da prova em uma grande recuperação a bordo do Chevrolet SS 48. No pódio, trinca de Chevrolet, com Kevin Harvick em segundo e Dale Earnhardt Jr. em terceiro.

A festa de Jimmie Johnson e equipe no pódio em Atlanta. Vitória veio depois de uma brilhante recuperação (Kevin Liles-USA Today Sports)
A festa de Jimmie Johnson e equipe no pódio em Atlanta. Vitória veio depois de uma brilhante recuperação (Kevin Liles-USA Today Sports)

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome