22 de abril de 1500: Descobrimento do Brasil

Túmulo de Pedro Álvares Cabral em Santarém, Portugal
Túmulo de Pedro Álvares Cabral em Santarém, Portugal

A mãe de Pedro Álvares Cabral, Gouveia de solteira, era cristã-nova. Porém é em Belmonte, na Igreja de Santiago, onde passava a antiga Estrada Romana Militar, que ligava Mérida a Braga, a qual na Idade Média era utilizada pelos peregrinos que se dirigiam a Santiago de Compostela que encontra-se o Panteão dos Cabrais e os túmulos de vários elementos desta ilustre família.

No interior, junto à porta que liga o Panteão à Igreja de S. Tiago, observa-se à direita, o túmulo de Fernão Cabral I e Isabel de Gouveia, pais de Pedro Álvares Cabral. Na parede oposta, encontram-se os restos mortais de João Gouveia (alcaide-mor de Castelo Rodrigo), de sua mulher Leonor Gonçalves e do seu filho Vasco Fernandes Gouveia (pais e irmão de Isabel de Gouveia).

Estes dois túmulos góticos de morfologia semelhante fizeram parte de uma primeira capela mausoléu mandado construir por Fernão Cabral I e sua mulher, Isabel Gouveia.

Interior do mausoléu
Interior do mausoléu

Moedas comemorativas

Por ocasião do 4º. centenário do descobrimento do Brasil, em 1900, foi lançada a primeira série de moedas comemorativas da República. Naquele ano, a moeda de 4000 réis em prata, com 50 mm, até então, foi a maior moeda já produzida no Brasil. Com Pedro Álvares Cabral, descobridor do Brasil na frente e no outro lado, as armas portuguesas em 1500 e brasileiras em 1900.

Já em 1999, a Efígie de Pedro Álvares Cabral, navegador português que, em 22 de abril de 1500, descobriu o Brasil , ladeada por nau, simbolizando as navegações portuguesas foi reduzida a uma moeda de 0,01 centavo. No ano de 2001 a homenagem a Pedro Álvares Cabral foi estampado numa cédula em polímero de dez reais.

Receba notícias do Farol em seu WhatsApp

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome